SOBRAL – O Homem Que Não Tinha Preço

Este interessante e fascinante documentário, indicado pelo nobre colega Dr. Fábio Mafra, retrata a vida e a obra do advogado Sobral Pinto, referência na luta pelos direitos humanos no Brasil durante o período de exceção! Magistral!”

SINOPSE

Em 1999, um jovem advogado tem acesso a arquivos secretos de áudio do Superior Tribunal Militar, e encontra registros impressionantes de defesas de presos políticos durante a ditadura, um raio X dramático dos anos de chumbo. Nas gravações, umas das vozes que mais se ouve, indignada e desafiante, é a do jurista Sobral Pinto. A partir da descoberta destes arquivos históricos, o filme “Sobral – O Homem que Não Tinha Preço” leva o público a conhecer a figura singular de Sobral Pinto: a coragem, a ética, o humor, a fé, a luta incansável pela justiça – sem cobrar honorários nem aceitar favores. Com depoimentos de personagens como Luís Carlos Prestes e sua filha Anita Leocádia, Zuenir Ventura, e do próprio Sobral, impagável em seus relatos e opiniões, o filme resgata um dos maiores advogados da história do Brasil, que colocou a justiça acima de qualquer ideologia e desafiou todos os ditadores brasileiros do século 20, tornando-se um dos maiores defensores dos direitos humanos de que já se teve notícia.

Obs.: Assisti este documentário em 12/09/14, através do NETFLIX.

Mestre Sobral Pinto 

Por: Jorge Cortás Sader Filho

Sobral Pinto

Heráclito Fontoura Sobral Pinto talvez tenha sido o maior advogado brasileiro, superando mesmo o próprio Rui Barbosa.

Na época do regime militar, defendeu muitos acusados de subversão.  Tive o prazer de cumprimentá-lo na Primeira Auditoria do Exército, lá pelas bandas da Praça da República.

Homem sério, advogado brilhante, orador com a voz fraca em virtude da idade, mas nem por isso embaçada pela falta do brilho, Sobral era católico fervoroso, que comungava todos os dias na primeira missa que era rezada perto da sua casa.

Certa ocasião, um oficial-general teve a infelicidade de chamá-lo “comunista”, tal o número que ele defendia.  Resposta imediata do mestre:

– Comunista é a puta que o pariu.

Não foi preso nem processado.  Ficou por isto mesmo, comprovando o ditado que o povo gosta de usar: “quem fala o que quer, escuta o que não quer”.  Mas, Sobral era extremamente educado e o palavrão não fazia parte da sua fala diária.

__________________________________

Mais uma de Sobral 

Durante o regime militar, Sobral foi ‘preso’ algumas vezes.

Digo ‘preso’, mas a palavra certa é constrangido pelos militares a dar um depoimento, coisa que o valha.  Contra ele mesmo, nada.

Muito bem. Depois de ter sido carregado à força, de pijama, para prestar um destes depoimentos, quando o fato surgiu nas manchetes foi um escândalo. O velho jurista tinha mais de setenta anos, e era o maior advogado do Brasil.

O presidente era Costa e Silva. Queria ter uma conversa particular com Sobral Pinto.

Escolheram um coronel do Exército, homem esclarecido e educado para cumprir a missão.

Tocaram a campainha. Sobral demorou um pouco.  Tocaram outra vez. E lá apareceu, com um livro na mão e de pijama, o advogado famoso.

– Doutor Sobral, o presidente quer falar com o senhor.

– Presidente? Que presidente?

– O general Costa e Silva.

– Não tenho nenhum assunto a tratar com ele. Não vou.

– Mas doutor, é o presidente da República!

– Já disse que não vou. Só se for preso.

O coronel era realmente educado, escolheram o homem certo. Sobral aceitava um diálogo, mas conversa mesmo. Imposição, nunca. Sabedor disso, o coronel ponderou com o mestre.

– Doutor, não me obrigue, por favor, a usar a força. Não é o meu feitio. Iria me sentir muito mal carregando o senhor de pijama, faça a gentileza de me acompanhar. Estou cumprindo ordens. Não estou prendendo nem intimando o senhor, só quero que me acompanhe.

– Ah! Então mudou. Com licença, vou vestir-me. Mas não vou a Brasília não!

– O presidente está no Palácio Guanabara. E traremos o senhor de volta para casa.

Sobral foi. O assunto tratado entre ele e Costa e Silva está guardado em dois túmulos.

 __________________________________

Outra do mestre Sobral

No famoso comício da Cinelândia, pelas “Diretas Já”, o palanque estava formado pela nata da sociedade brasileira. O comandante era Ulysses Guimarães, Deputado Federal que esteve sempre à frente do movimento.

Discursaram muitos famosos. A praça estava superlotada. O último a se pronunciar foi o velho advogado Sobral Pinto, já com voz bastante envelhecida, mas nem por isso fraca ou não convincente.

Terminou citando artigo máximo da antiga Constituição Brasileira:

– “Todo o poder emana do povo, e em seu nome será exercido”.

Quem passa até hoje na Cinelândia, se prestar atenção, escuta as palmas que o tempo conserva.

3.00 avg. rating (73% score) - 2 votes
Esta entrada foi publicada em Filmes já vistos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para SOBRAL – O Homem Que Não Tinha Preço

  1. Eduardo Ramos disse:

    Bacana também é ler o livro sobre a biografia dele. Sobre a defesa de Luiz Carlos Prestes e Harry Berger e interessantíssimo ler o livro: Por que defendo comunistas. Tem no site minhateca.com.br para baixar.

    Abraço! e parabéns pelo site!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *